Volume
Redes
Sociais
Justiça suspende processo criminal contra Samarco...
08/08/2017 - 6h55 em Jornalismo

Por: Lena Alves

Justiça Federal de Ponte Nova-MG, suspendeu o processo criminal contra Samarco, Vale, BHP Billiton e VogBR e diretores da empresa no qual respondiam criminalmente pelo rompimento da barragem de Fundão em Mariana (MG), ocorrida em 2015, que matou 19 pressoas e deixou uma desaparecida.

 O desastre ambiental,  considerado como maior do Brasil, gerou um  processo criminal que pouco ansou,  tornando  rés 22 pessoas e as empresas citadas. Os advogados do presidente da Samarco à época do desastre, Ricardo Vescovi, e o ex, Kleber Terra, afirmam que foram usadas provas ilícitas no processo e querem anular a ação. Segundo a defesa, escutas telefônicas utilizadas pela Polícia Federal e Ministério Público Federal para basear as acusações ultrapassaram o período autorizado pela Justiça. Ambos são réus sob acusação de homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de matar).

 A ação tramita na comarca de Ponte Nova (MG). O processo aceito em novembro de 2016, está paralisado há um mês. A decisão não interrompe processos civis, que tratam de reparação ambiental e indenizações. A justiça determinou que as  companhias telefônicas se manifestem em prazo de 10 dias sobre o período em que os telefones foram interceptados. Na decisão assinada no dia 4 de julho, pelo juiz Jaques de Queiroz Ferreira, da comarca, onde ação tramita, não descartou 'anulação do processo desde o início', caso fique  comprovada a gravidade das questões.

 Além de Vescovi e Terra, há outros 19 réus por homicídio com dolo eventual no caso.

O  Ministério Público Federal  constestou informação e disse que nada foi ilegal e que  "as interceptações indicadas pela defesa como supostamente ilegais sequer foram utilizadas na denúncia. A Samarco informa que não irá se manifestar. A defesa de Vescovi e Terra ainda não se manifestou. A Polícia Federal de Minas Gerais diz que não foi comunicada, oficialmente, sobre o fato pela Justiça.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!